Florbela Espanca

Vila Viçosa, 1894; Matosinhos, 1930

Ao longo da sua turbulenta e breve vida de trinta e seis anos, cedo marcada por uma saúde fragilizada e por uma neurose que sempre a afectaria, conheceu a dor e a infelicidade causadas pelo fracasso de três casamentos e de outras paixões; sofreu abortos involuntários, sentindo na pele a frustração do desejo da maternidade; e foi profundamente abalada pela perda do seu querido irmão Apeles, vítima de um acidente de aviação em 1927. Toda esta dor ela soube porém transformar em confessional, sentida e visceral poesia e prosa, femininas e eivadas de sensualidade e erotismo. Ironicamente tão frágil quanto forte, foi uma das poucas mulheres a concluir na época os estudos liceais, em Évora, e a matricular-se em 1917 na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, passando a frequentar os círculos culturais e literários da capital, a colaborar em jornais e revistas, e a participar da sua vida boémia. Por esta época, em 1919, publicou o Livro de Mágoas e em 1923 o Livro de Soror Saudade, sendo que o resto da sua obra ficaria a aguardar por edição póstuma. Morreu em Matosinhos, cidade para onde entretanto se mudara, a 8 de Dezembro de 1930, no dia do seu aniversário e também do seu primeiro casamento. Ainda que oficialmente a causa da sua morte se tenha devido a um "edema pulmunar", a verdade é que tudo aponta para um suicídio premeditado, já antes e por mais de uma vez tentado. Em 1964, o seu corpo foi transladado para Vila Viçosa, essa terra alentejana a que tão "entranhadamente" queria.