O PROJETO KALANDRAKA

O Dia Internacional do Livro Infantil e Juvenil, 2 de abril, marca o nascimento da Kalandraka Editora. Corria o ano de 1998 e o panorama da edição em galego apresentava algumas carências: o álbum ilustrado – de grande tradição nos outros países europeus – não existia na Galiza. A Kalandraka apostou nesse formato, no sentido de apresentar aos leitores livros diferentes: adaptações de contos tradicionais, clássicos da literatura infantil de todos os tempos e obras de produção própria, nas quais se promovia o trabalho de novos autores e ilustradores. Nasciam os “Livros para Sonhar”… A animação à leitura foi, desde o primeiro momento, um dos pilares da Kalandraka, porque os livros são o alimento da imaginação e contribuem para despertar nas crianças a curiosidade e o engenho, para as educar do ponto de vista afetivo, estético e visual. As sessões de animação à leitura da Kalandraka percorrem, frequentemente, escolas, bibliotecas e livrarias, transportando a magia que os livros encerram. A trajetória editorial da Kalandraka recebeu o reconhecimento do público, da crítica e das instituições que premiaram algumas obras que hoje em dia ocupam um lugar de destaque no catálogo: “O coelhinho branco”, “Onde perdeu a Lua o riso?”, “Artefactes”… E deu o salto internacional, através da tradução de livros da Kalandraka para outras línguas, para além da sua participação nas mais importantes feiras do setor. Com uma esmerada conceção do trabalho em equipa, com um profundo compromisso com a cultura e em permanente contacto com os leitores, a Kalandraka encara o futuro na expetativa de continuar a fazer livros que seduzam e perdurem no tempo.